UM RECADO A JOSÉ DIRCEU